quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Os Verdadeiros Burros e os Falsos Loucos

O mais esperto dos homens é aquele que, pelo menos no meu parecer, espontâneamente, uma vez por mês, no mínimo, se chama a si mesmo asno..., coisa que hoje em dia constitui uma raridade inaudita. Outrora dizia-se do burro, pelo menos uma vez por ano, que ele o era, de facto; mas hoje... nada disso. E a tal ponto tudo hoje está mudado que, valha-me Deus!, não há maneira certa de distinguirmos o homem de talento do imbecil. Coisa que, naturalmente, obedece a um propósito.
Acabo de me lembrar, a propósito, de uma anedota espanhola. Coisa de dois séculos e meio passados dizia-se em Espanha, quando os Franceses construíram o primeiro manicómio: «Fecharam num lugar à parte todos os seus doidos para nos fazerem acreditar que têm juízo». Os Espanhóis têm razão: quando fechamos os outros num manicómio, pretendemos demonstrar que estamos em nosso perfeito juízo. «X endoideceu...; portanto nós temos o nosso juízo no seu lugar». Não; há tempos já que a conclusão não é lícita.

Fiodor Dostoievski, in "Diário de um Escritor"

3 comentários:

Paulo disse...

Uma reflexão um tanto ou quanto actulaizada e realita...

Vivemos num mundo em que é fácil enlouquecer...

BJS GRANDES

Just me disse...

Anda para aí cada maluco que me deixa doida e ainda por cima saem-me todos na rifa, eu aturo cada um.....

Beijocas

Paulo disse...

E dou-te razão...

E mais não digo, senão pode dizer algo que não quero...

BJS GRANDES