sábado, 4 de julho de 2009

São Rosas Senhor....



A história mais popular da Rainha Santa Isabel é sem dúvida a do milagre das rosas. No entanto, este milagre foi originalmente atribuído à sua tia-avó Santa Isabel da Hungria. Provavelmente por corrupção da lenda original, e pelo facto de as duas rainhas possuírem o mesmo nome e fama de santas, a história passou também a ser atribuída a Isabel de Aragão.

Segundo a lenda portuguesa, a rainha saiu do Castelo do Sabugal numa manhã de Inverno para distribuir pães aos mais desfavorecidos. Surpreendida pelo soberano, que lhe inquiriu onde ia e o que levava no regaço, a rainha teria exclamado: São rosas, Senhor!. Desconfiado, D. Dinis inquirido: Rosas, no Inverno?. D. Isabel expôs então o conteúdo do regaço do seu vestido e nele haviam rosas, ao invés dos pães que ocultara.

A época exacta do aparecimento desta lenda na tradição portuguesa não está determinada. Não consta de uma biografia anónima sobre a rainha escrita no século XIV, mas circularia oralmente pelo país nas últimas décadas desse século. O mais antigo registo conhecido é um retábulo quatrocentista conservado no Museu Nacional de Arte da Catalunha.

... levava uma vez a Rainha santa moedas no regaço para dar aos pobres(...) Encontrando-a el-Rei lhe perguntou o que levava,(...) ela disse, levo aqui rosas. E rosas viu el-Rei não sendo tempo delas. ...
—Crónica dos Frades Menores, Frei Marcos de Lisboa, 1562

O primeiro registo escrito do milagre das rosas encontra-se na Crónica dos Frades Menores. No entanto, a tradição popular gerou inúmeras variantes: moedas de ouro que se transformam em rosas ou rosas que se transformam em ouro; e a actualmente mais conhecida, do pão em flores.

Em meados do século XVI a lenda já tinha sido amplamente difundida, e foi ilustrada por uma pintura anónima, conhecida por Rainha Santa Isabel, no Museu Machado de Castro de Coimbra, e por uma iluminura da Genealogia dos Reis de Portugal de Simão Bening sobre desenho de António de Holanda. No século XVII surgem mais dois trabalhos anónimos retratando a rainha, a pintura a óleo no átrio do Instituto de Odivelas e o retábulo do Mosteiro do Lorvão.

Fonte: Wikipédia

Para mais informações aconselho que leiam aqui!

Porque hoje é dia da Rainha Santa Isabel, e existe em mim uma grande admiração pela história desta senhora, aqui fica um pouco desta Rainha!

5 comentários:

Paulo disse...

Não é por acaso que Coimbra tem uma grande paixão e acima de tudo devoção pela sua Rainha...

Espero que ela esteja sempre contigo e te ajude sempre que precisares...

BJS GRANDES

Just me disse...

É uma figura que me fascina desde criança! Influência dos meus pais e dos meus professores de escola primária que me contaram esta história que me fascinou!

E o facto de ela ter sido uma pessoa fantástica e integra!

Enfim, um dia destes conversamos melhor sobre o assunto!

Beijocas!!!

Paulo disse...

Quando quiseres...

De certeza que vai vale a pena. Como sempre...

BJS GRANDES

sonia disse...

Também gosto muito da Rainha Santa Isabel...cresci com a devoção da minha Mãe por ela e todos acabamos por ser um pouco devotos, não é? mas só de me lembrar da forma como a minha querida Mãe a chama quando troveja já dá vontade de rir!!!

Beijo

Just me disse...

Chamar pela rainha santa na hora da trovoada desconhecia, costuma-se chamar é pela Santa Barbara!!!

Beijocas