sábado, 8 de agosto de 2009

Os teus pés




Quando não te posso contemplar
Contemplo os teus pés.

Teus pés de osso arqueado,
Teus pequenos pés duros,

Eu sei que te sustentam
E que teu doce peso
Sobre eles se ergue.

Tua cintura e teus seios,
A duplicada purpura
Dos teus mamilos,
A caixa dos teus olhos
Que há pouco levantaram voo,
A larga boca de fruta,
Tua rubra cabeleira,
Pequena torre minha.

Mas se amo os teus pés
É só porque andaram
Sobre a terra e sobre
O vento e sobre a água,
Até me encontrarem.

By Pablo Neruda

3 comentários:

sonia disse...

Ama os pés??? Que falta de gosto!
Não gostei deste poema! Que horror!!!

Beijoca

Just me disse...

São pés sem cheiro.....

Beijocas!

Paulo disse...

A Beleza tem de começar por algúm lado...

Eu diria que começa na base (pés) e acaba no topo (face)...

Será??

BJS GRANDES