sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Em todas as ruas te encontro


Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco

Mário Cesariny, in "Pena Capital"

2 comentários:

sonia disse...

Coitado...Se não escapa em nenhuma rua é dose!

Hoje estou anti-amor e anti tudo o que tenha a ver com o tema em questão!

Beijoca

Paulo disse...

Nem sei bem o que comentar...

Podia dizer muita coisa, mas vou ficar-me pelo nada que pode ser tudo...

Vemo-nos numa rua em que sabes que me encontrarás (sempre)...

BJS GRANDES