segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Nunca se sabe o que é para sempre, sobretudo nas coisas do amor. E era uma coisa do amor, isto tudo. São tão estranhas as coisas do amor que não se compreendem por inteiro. Tem de se estar sempre a fazer suposições. Nunca se sabe como é até que ponto e até quando. Esta obsessão chega para impedir a vida, o amor pode impedir o amor, amaldiçoá-lo como um espectro. (Nos teus braços morreríamos, Pedro Paixão)

Frase roubada aqui! E agora aceitam-se as ofertas! Entretanto vou ver se o livro anda pela biblioteca!!!!

3 comentários:

Paulo disse...

Poderei ser um pouco suspeito para falar mas quando se ama alguém tem de se amar de verdade e não porque sim ou porque se quer ficar bem visto perante terceiros...

Amar implica sacrifícios e acima de tudo cedências de parte a parte. Há que saber viver com os defeitos e virtudes de cada um...

Quam não o consegue fazer não está a ser sincero com a outra pessoa e ao mesmo tempo consigo mesma...

"O amor não tem idade; está sempre a nascer..."

Espero não ter dito nenhuma barbaridade...

BJS GRANDES

sonia disse...

Mal com ele, pior sem ele...mais vale não complicar o que já é complicado! Deixa rolar!


Beijoca

Paulo disse...

À pouco esqueci-me de dizer que não conseguir fazer isso não merece amar e muito menos ser amado...

A minha cabeça já não dá para tudo (hehe)...

BJS GRANDES